Home » Noticia » Maria do Rosário exige explicação sobre a morte de 10 bandidos em ação policial: Boato

Maria do Rosário exige explicação sobre a morte de 10 bandidos em ação policial: Boato

Boato: Maria do Rosário exige explicação sobre a morte de 10 bandidos em ação policial.

De acordo com um boato publicado no site Juntos pelo Brasil, a morte de 10 bandidos que participaram de um tiroteio com a polícia civil no bairro do Morumbi, Zona Sul de São Paulo teria deixado a deputada federal Maria do Rosário (PT) “chocada e segundo informações a parlamentar quer cobrar explicações do Governo de São Paulo sobre o ato, classificado como uma brutalidade (sic) – fonte – http://juntospelobrasil.com/deputada-quer-explicacoes-sobre-os-dez-bandidos-mortos/“.

A notícia parece ser mais uma Fake News para caçar cliques e atrair leitores. Cita o famoso “segundo informações” como se isso fosse garantia de credibilidade. Uma varredura nas redes sociais da Deputada Maria do Rosário não mostra nenhuma menção, postada por ela ou sua assessoria, sobre o episódio.

Maria do Rosário exige explicação sobre a morte de 10 bandidos em ação policial

Anistia Internacional acha anormal a ação policial que resultou na morte de 10 assaltantes.

Se por um lado a “revolta” da Maria do Rosário parece ser uma notícia caça cliques, por outro, a Anistia Internacional botou a boca no mundo e bradou nas redes sociais “Não podemos aceitar naturalmente uma ação da polícia com dez mortos’.

Em postagem no Facebook, a Anistia Internacional Brasil disse que a ação da Polícia Civil em São Paulo, que resultou em 10 pessoas mortas no fim da noite de domingo 03 de setembro, deve ser rigorosamente investigada.

Leia na íntegra a nota da Anistia Internacional Brasil:

  • A ação da Polícia Civil em São Paulo, que resultou em 10 pessoas mortas no fim da noite de domingo 03 de setembro, deve ser rigorosamente investigada. A polícia em São Paulo, assim como em outros estados brasileiros, tem um histórico de alta letalidade em suas operações e há inúmeros casos documentados de execuções extrajudiciais e uso excessivo ou desnecessário da força letal que resultam em mortes que poderiam e deveriam ter sido evitadas e que não aconteceram em um contexto de “legítima defesa”. Diante deste histórico conhecido do padrão de atuação da polícia e do alto número de mortos neste episódio do último domingo, é fundamental que uma investigação imparcial e exaustiva seja feita imediatamente para identificar se houve ou não uso excessivo da força ou abusos por parte dos policiais envolvidos. A ação da polícia também não deveria ser considerada “um sucesso”. O papel da polícia não é matar e uma intervenção que resulte em dez pessoas mortas não pode ser considerada referência de eficiência ou sucesso da ação policial. O combate ao crime, fundamental para a garantia de segurança pública para todas as pessoas, não é incompatível com a garantia de direitos humanos e o respeito ao devido processo legal. Ao contrário, uma polícia que age com excessos ou na ilegalidade só contribui para o aumento da violência como um todo, alimentando uma espiral e um ciclo vicioso que coloca a todas as pessoas em risco, inclusive os policiais no exercício das suas funções. O Ministério Público, que tem o papel de exercer o controle externo da atividade policial, deve investigar prontamente a ação da Polícia Civil neste caso.
  • “Não podemos aceitar com naturalidade que uma ação da polícia resulte em dez pessoas mortas. Isso não é política de segurança pública adequada. É fundamental que se investigue esse caso para responsabilizar eventuais ações ilegais por parte dos policiais. Mas, acima de tudo, é necessário repensar as estratégias de ação da polícia para que isso não se repita. A ação da polícia de combate ao crime deve ser planejada de forma a proteger e preservar a vida de todas as pessoas, inclusive aquelas envolvidas em atos ilícitos ou suspeitas de cometerem crimes”, afirma Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional Brasil. (sic)

Logo após a postagem, os comentários na página da Anistia Internacional foi invadido por pessoas parabenizando a Polícia Civil de São Paulo.

A Ouvidoria da Polícia de São Paulo acionou a Corregedoria e o Ministério Público estadual para investigar o caso.

— “Nenhum policial se feriu. Então são dez mortos, muitos tiros… Isso, sendo que cinco pessoas estavam dentro de um carro. Foi alegado que estavam trocando tiros. Um especialista que levantou isso: como cinco pessoas de dentro de um carro podem trocar tiros com alguém? Baseado nesses fatos, teremos uma apuração rigorosa” — frisou o ouvidor da polícia de São Paulo, Julio Cesar Fernandes Neves para o jornal O Globo.

Ao menos quatro fuzis, três revólveres, duas pistolas e cápsulas de munição foram recolhidos no local.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) defendeu a ação nesta segunda-feira. Alckmin fez a ressalva de que “graças a Deus” nada aconteceu com as vítimas e os policiais — Quem está de fuzil não está querendo conversar. Criminosos fortemente armados com munição que nem pode ser utilizada — disse .

Concluindo: Até o momento não encontramos nenhuma manifestação da Maria do Rosário sobre a morte dos 10 elementos que, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo,  formavam uma quadrilha responsável por vários roubos a residências na região.

Por enquanto, quem esta exigindo esclarecimentos é a Anistia Internacional Brasil.

Comentários Facebook

comments

About Descharth

Avatar for Descharth
André L. Scharth, também conhecido como Descharth, ou Des, é Laboratorista Fotográfico, uma profissão em extinção devido a tecnologia fotográfica atual. Por isso, para poder continuar tomando cervejas virou blogueiro, mas ainda pede fiado no bar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *